terça-feira, 20 de março de 2012

O quadro...

Uma mancha carmim...
e um rosto marrom...
assim, foi que enxerguei...
hoje à tarde, ao pintar...
um poema desenhado..
com vontade, da descoberta...
a sentir um... sentir... colorido...
que em vermelho cândido...
sombra tostada...
branco zinco...
e preto...
coloriram o vazio...
preenchendo, minha tarde de paixão...

Duka Souto

quarta-feira, 14 de março de 2012

Chuva de Sentimentos...

E de um pedido de desculpas...
uma idéia nasce...


_Podia compilar...
ou melhor, espalhar...
subir numa torre bem alta e...
jogar lá de cima...
bombons de trocadilhos e palavras...
ia ser a primeira vez que ia cair...
uma chuva de sentimentos...


_Talvez também...
o primeiro trovejar de versos...
numa ventania poética...
a gotejar rimas coloridas...
com reticências a subir em bolhas de sabão...
e o povo louco... estourando-as...
para adocicar suas vidas...
com os sorrisos de carnaval...


Duka Souto e Fabiana Luedy





terça-feira, 13 de março de 2012

Com gosto de fruta doce...


Há!!!! esses reencontros...
essas almas que não se esquecem...
quando olham nos olhos...
vêem a saudade de outros tempos...

Ressentem, os sentires doutras vidas...
com gosto de fruta doce...

Como uma dança que...
as faz bailar o salão inteiro...

Como um tesouro encontrado...
que por tempos era procurado...
com cheiro de pão francês quente...
aberto à mão...
com manteiga passada pelo verso da colher....
a derreter sob o miolo... amarelando-o...
tornando-o crocante por fora...
e suculento por dentro...

Há!!!! esses reencontros...
não quero sede, nem fome...

Com tanto sabor...
eles alimentam a vida...
recarregam as baterias da alma...
irrigam de cores de paixão...
os corações dos corpos...
onde hoje habitam...

Essas almas que não se esquecem...

Duka Souto e Aline Nepomuceno

sábado, 10 de março de 2012

Frutos da Mídia...

Explosão de saberes ocultos...
Mudos gritos de silêncio...
Na ciência de seres astutos...
Em simples flashs de tempo!

Palavras que falam por si...
Gerando infinitas visões...
Canções, poemas e prosas...
Que constroem e destroem nações!

Na era da pornofônia...
D mídia massificadora...
Extingue-se a poesia...
Que um dia foi encantadora...

O povo não vai mais à rua...
Não briga pelos seus direitos...
Mulheres requebram-se nuas...
Com retalhos de pano nos peitos...

Mas quem é que se importa com isso!?
Pra quê um povo inteligente!?
Alienar o ignorante, o omisso...
É mais fácil que fazer Repente!!!

Duka Souto 2008

quarta-feira, 7 de março de 2012

Onde mora a tristeza

Gritei...
pra dizer baixinho...
para mim, sozinho...
o que era aquilo!

Sonhei...
com um belo sorriso...
d`uma bela moça...
e não há quem possa!

Nossa...
acordei feliz...
vermelho, era meu nariz...
Alegria era meu nome!

Onde...
mora a tristeza...
em mim nasce a beleza...
e no fim...

Termino...
eu mesmo, sorrindo...
somente, rindo...

Duka Souto e Cacau Reis



quinta-feira, 1 de março de 2012

Ser-se

Enquanto o mundo se decide...
vou organizando meus pensares...
deixando um pouco de voar...
pisando menos pelos ares...

É quando, o eu, que se decide...
o que quer, ele, sentir...
quem, ele, quer conhecer...
e deixar o resto se ser...

Se ser...
um amor...
por uma menina...
ou uma mulher...
se ser apenas o que é...
o incondicional...
o que também traz certa dor...
ser-se o sentir natural...
ser-se apenas amor...

Duka Souto